-

+

06/08/2019

Saque do FGTS pode diminuir inadimplência do seu Condomínio

O Governo Federal anunciou, há poucos dias, mudanças no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), incluindo a permissão de saque imediato de até R$ 500,00 de todas as contas, sejam elas ativas ou inativas.

Você deve ter acompanhado essas notícias, que trazem uma expectativa de crescimento no PIB brasileiro, na ordem de 0,35 ponto percentual no período de 12 meses.

Mas o que você talvez não tenha percebido é que o FGTS liberado em 2019, que vai beneficiar 96 milhões de trabalhadores(as), também pode ajudar na batalha contra a inadimplência no seu Condomínio.

A previsão é de que o número de beneficiados(as) seja quatro vezes maior do que o registrado há dois anos, quando o governo liberou o saque de contas inativas.

Naquela ocasião, R$ 44 bilhões foram sacados. Você lembra qual foi o principal destino desse dinheiro?

A maioria dos(as) brasileiros(as) simplesmente realocou os recursos para investimentos de maior rentabilidade — já que até a Poupança supera os irrisórios 3% que o FGTS rende por ano.

Mas boa parte da população usou esse dinheiro para quitar dívidas e contas em atraso.

É aí que o seu Condomínio pode ser beneficiado.

De acordo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o saque de até R$ 500,00 das contas de FGTS permitirá quitar as dívidas de quase 40% dos(as) brasileiros(as) que estão inadimplentes.

Em média, os(as) inadimplentes brasileiros(as) devem R$ 3.252,70, mas há um contingente expressivo de 37,4% cujas dívidas não ultrapassam R$ 500,00.

Além disso, outros 15,9% de inadimplentes devem entre R$ 500,00 e R$ 1.000,00. Se você somar esses dois grupos, verá que eles representam 53% do total de inadimplentes no Brasil.

Mas até que ponto o(a) inadimplente que terá direito a sacar recursos do FGTS vai utilizar esse dinheiro para pagar dívidas?

Em entrevista para o portal O Globo, o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, lembrou que, em 2017, 40% das pessoas que sacaram os recursos do FGTS usaram o dinheiro para quitar dívidas.

Mas como avançar nessa negociação com o(a) Morador(a) inadimplente? Reunimos algumas dicas abaixo.

Como controlar a inadimplência no seu Condomínio

 

Elencamos, a seguir, algumas estratégias que você precisa adotar no dia a dia para inibir a inadimplência dos Condôminos e melhorar a gestão de Condomínio.

Faça valer o regimento interno do Condomínio

 

Todos(as) os(as) Moradores(as) do prédio devem conhecer seus direitos e deveres, que precisam estar elencados no regimento interno de cada Condomínio.

Sem esse documento, você não consegue fazer a cobrança efetiva, porque as regras não estão claras para todos.

Se você não tiver um regimento interno definido, assinado e reconhecido por todos(as), o primeiro passo é convocar uma assembleia para detalhar todas as regras para os(as) Moradores(as).

Essa também é uma questão de isonomia, justiça e de senso coletivo, três fatores essenciais para o convívio em harmonia. As regras que se aplicam a um Condômino se aplicam a todos os outros, sem exceção.

Divulgue e padronize os procedimentos de cobrança

 

Para que você não seja considerado injusto ou seja acusado de favorecer alguns Moradores(as), é recomendável divulgar a Convenção – Regimento Interno, os procedimentos de cobrança.

É importante esclarecer, também, que esta batalha não é sua contra o(a) Morador(a), e sim do Condomínio, que representa os(as) Moradores(as), pelos seus direitos.

Em um primeiro momento, o regimento do Condomínio deve estabelecer uma data como limite de inadimplência. Depois desse período, o regimento deve deixar claro quais serão as atitudes tomadas para que o Condomínio faça valer os seus direitos.

Nesse regimento, é preciso estipular a partir de que momento o Condomínio vai recorrer à esfera Judicial, por exemplo.

Também deve constar no regimento quais serão as formas de cobrança e de contato com o(a) inadimplente. Se o documento permitir, a primeira cobrança pode ser feita de forma amigável.

A partir daí, a atitude varia de acordo com cada Condomínio. Uma possibilidade é acompanhar a situação por cerca de quinze dias, e, se o pagamento não for efetuado, informar o(a) Morador(a) por meio de um aviso. Esse aviso pode ser enviado por e-mail ou por WhatsApp, por exemplo.

Ainda no âmbito do primeiro contato, que deve ser amigável, você pode chamar o(a) Morador(a) para uma conversa, para lembrar do problema e das possíveis implicações futuras. O uso dessa estratégia vai depender da sua capacidade de articulação e da intimidade que você mantém com o(a) Morador(a) em questão.

Contra a inadimplência, mantenha uma reserva de emergência

 

Como você talvez já tenha percebido no seu dia a dia no Condomínio, reduzir a inadimplência dos(as) Moradores(as) pode ser uma dor de cabeça enorme para manter a Gestão de Condomínio em dia.

Isso acontece principalmente se você não tiver uma reserva de emergência no seu Condomínio.

Por isso, a primeira etapa de uma boa gestão financeira do seu Condomínio passa pela criação de uma reserva de emergência.

Todos os meses, destine parte da arrecadação do Condomínio para manter essa reserva de emergência.

Se for necessário tirar algum recurso dessa reserva, a recomendação é de que os valores sejam recolocados tão rápido quanto possível.

Conclusão

 

Se você chegou até aqui, percebeu que o saque imediato de R$ 500,00 do FGTS pode ajudar o seu Condomínio na luta contra a inadimplência.

Mas, para que isso aconteça de fato, o Condomínio precisa divulgar os direitos e deveres de cada Morador(a) de forma clara.

Além de manter essas informações no regimento interno, que é de conhecimento de todos, você pode optar por colocar avisos nas áreas comuns do Condomínio se perceber que a inadimplência está chegando a níveis alarmantes. Um simples cartaz no mural de avisos já pode surtir o efeito desejado.

Os(as) Moradores(as) também precisam conhecer o processo de cobrança, que deve constar no regimento interno. Assim, ele(a) estará ciente do que pode acontecer se não regularizar os pagamentos.

Com essas estratégias, confiamos que a batalha contra a inadimplência será menos árdua no seu Condomínio.

Gostou das dicas? Continue navegando.

Posts relacionados

Economia Gestão e liderança

24/01/2020

Por que é preciso declarar a RAIS do Condomínio

A RAIS (Relação Anual de Informações Sociais) é uma obrigação de todos os empregadores que tiveram CNPJ ativo durante o ano de 2019, o que inclui Condomínios. Essa Relação Anual tem como objetivo o controle de atividades trabalhistas, elaboração de dados estatísticos e disponibilização de informações às entidades governamentais. A declaração deve ser realizada através […]

0

Dia a dia Economia

27/12/2019

A certificação digital para os Condomínios

Você sabia que a certificação digital do Condomínio é obrigatória desde 2013? Não? Mas não se preocupe. Apesar da obrigatoriedade, muitos(as) Síndicos(as) ainda não tem o domínio do assunto. Por causa dessas dúvidas, hoje trouxemos um artigo explicando todos os detalhes sobre o tema. Certificação digital: o que é?       A certificação digital […]

0

Cobrança Dia a dia Economia

26/12/2019

Como o fundo de reserva do Condomínio pode ser usado?

O fundo de reserva do Condomínio é um recurso que visa solucionar emergências. Ele tem o papel de dar um suporte financeiro, sendo utilizado para pagar despesas, obras, manutenções, obrigações urgentes ou imprevistos. Essa peça essencial na administração condominial pode ser utilizada para solucionar as despesas que são emergenciais, que não faziam parte da previsão […]

0

Economia +

4 semanas atrás

Por que é preciso declarar a RAIS do ...

A RAIS (Relação Anual de Informações Sociais)...

Dia a dia +

2 meses atrás

A certificação digital para os Condom...

Você sabia que a certificação digital do...

Cobrança +

2 meses atrás

Como o fundo de reserva do Condomínio...

O fundo de reserva do Condomínio é...

Comentários