-

+

Como nasce um condomínio?

A concepção de um Condomínio se dá por meio de várias etapas e muitos desafios a serem superados. Exige conhecimento acerca da legislação, de finanças e, igualmente importante, da gestão de pessoas. O assunto é tratado nas linhas a seguir, com a contribuição da advogada Bruna Neubern, que esclarece as principais dúvidas e curiosidades sobre o tema.

“O nascimento do Condomínio edilício, nome técnico dado à propriedade que possíveis partes comuns e privadas têm, deriva de um ato jurídico registral. Em síntese, a legislação brasileira atribui à Convenção Condominial o papel principal desse processo. Isto porque além de trazer as regras internas a respeito da convivência coletiva, especifica as características físicas do Condomínio enquanto edificação”, descreve Bruna.

Na Convenção Condominial, é possível encontrar a descrição do Condomínio como, por exemplo, a quantidade de andares, o número de unidades e de vagas de garagem, além da indicação precisa das áreas comuns.

“Dizemos ser um ato registral, pois o Condomínio somente é considerado constituído quando o Cartório de Registro de Imóveis registra o instrumento de instituição Condominial e vincula a edificação ao terreno sobre o qual foi construída”, explica a advogada.

Assembleia, momento marcante da concepção

Além do ato registral, um momento marcante do nascimento de um Condomínio é a sua instalação, caracterizada pela realização da primeira assembleia. É quando o corpo diretivo é eleito e a previsão orçamentária é aprovada para que, a partir desse momento, todos os Condôminos possam contribuir com o rateio das despesas envolvidas na manutenção e preservação do patrimônio comum.

Antes dessa assembleia, o principal responsável por gerir o nascimento do Condomínio é o instituidor, que irá minutar as regras internas que estarão contidas na Convenção. Depois da assembleia de instalação, o poder de gestão é entregue aos Condôminos, representados por um(a) Síndico(a) e seus conselheiros.

Durante esse processo, é possível atribuir responsabilidade à administradora do Condomínio, pois sua principal função é auxiliar tecnicamente o(a) Síndico(a) na gestão do patrimônio coletivo e cuidar para que o Condomínio se consolide como uma estrutura bem organizada e financeiramente saudável.

Organização das pessoas: o grande desafio

De acordo com a advogada Bruna Neubern, entre os desafios que marcam o período de nascimento de um Condomínio, “o principal está diretamente ligado à capacidade organizacional de pessoas, a priori, estranhas entre si e que devem ter a compreensão de que a convivência coletiva exige a participação e cooperação de todos.”

A advogada alerta que “caso não haja a compreensão de que todos devem colaborar, principalmente com o rateio das despesas, os conflitos internos passam a aparecer desde o nascedouro e o patrimônio comum pode ser afetado”.

Outro desafio logo após a concepção Condominial é a realização da previsão orçamentária das despesas envolvidas na manutenção e preservação do patrimônio coletivo, bem como sua gestão eficaz, a ser realizada pelo(a) Síndico(a) representante de todos, com o auxílio da administradora Condominial.

“Além disso, há a necessidade de promover o convívio saudável entre pessoas diferentes, pois, embora o Condomínio seja juridicamente caracterizado pela existência da copropriedade, o aspecto humano envolvido no nascimento Condominial é um fator de maior importância envolvido nesse processo”, ressalta Bruna. Ela conclui: “justamente por esse motivo é que a Convenção Condominial, enquanto instrumento normativo que regula a vida em Condomínio, ganha papel de destaque, devendo ser conhecida e seguida por todos com o objetivo de garantir a boa evolução da vivência em Condomínio.”

As etapas da concepção de um Condomínio:

– Ato jurídico registral.

– Instalação do Condomínio, com a realização de assembleia.

– Na assembleia, os Condôminos podem alterar a Convenção Condominial, que traz as regras a serem seguidas por todos.

Posts relacionados

Assembleia Dia a dia Gestão e liderança

01/01/2020

Como redigir a ata de reunião de Condomínio

Que tal ficar por dentro de tudo que precisa para redigir uma ata de assembleia ou reunião do Condomínio? É isso que queremos explicar, com todas as particularidades, neste artigo. A ata é aquele documento que reúne tudo o que foi deliberado durante a reunião de assembleia. Ela tem uma grande importância no Condomínio, pois […]

0

Dia a dia Economia Gestão e liderança

27/12/2019

Como contratar bons fornecedores para o Condomínio

Em um Condomínio, os fornecedores são todos aqueles prestadores de serviço que atuam na área da manutenção predial, reforma, conservação e mão de obra. E uma das funções do(a) Síndico(a) envolve contratar estes serviços, empregar bem os recursos do orçamento e, principalmente, melhorando a vida dos(as) Moradores(as). Quem tem a administração do local sob seus […]

0

Cobrança Dia a dia Economia

26/12/2019

Como o fundo de reserva do Condomínio pode ser usado?

O fundo de reserva do Condomínio é um recurso que visa solucionar emergências. Ele tem o papel de dar um suporte financeiro, sendo utilizado para pagar despesas, obras, manutenções, obrigações urgentes ou imprevistos. Essa peça essencial na administração condominial pode ser utilizada para solucionar as despesas que são emergenciais, que não faziam parte da previsão […]

0

Assembleia +

5 meses atrás

Como redigir a ata de reunião de Cond...

Que tal ficar por dentro de tudo...

Dia a dia +

5 meses atrás

Como contratar bons fornecedores para...

Em um Condomínio, os fornecedores são todos...

Cobrança +

5 meses atrás

Como o fundo de reserva do Condomínio...

O fundo de reserva do Condomínio é...

Comentários